Você sabia que os portugueses foram o primeiro povo europeu a chegar ao Japão?

Você sabia que...

... os portugueses foram o primeiro povo europeu a chegar ao Japão? E que mais de 800 palavras japonesas são de origem portuguesa?

Japonesismos

Por Professor Cláudio Moreno


Prezado Professor: meu namorado diz que o idioma japonês só contribuiu para nossa língua com nome de comida fria e sem gosto (sushi e sashimi) e de lutas marciais (judô e caratê). Eu tenho certeza de que recebemos outras palavras japonesas, mas na hora não me ocorreu mais nenhuma para contra-argumentar. O senhor pode ajudar?.

Bárbara L. — Londrina (PR)

Minha prezada Bárbara: é evidente que recebemos vários vocábulos japoneses além desses. Para tua informação, os portugueses chegaram ao Japão quarenta anos depois do descobrimento do Brasil, tornando-se os primeiros ocidentais a estabelecer relações diplomáticas e comerciais com aquele país. Nesse período de cinco séculos, muitos elementos do Japão foram incorporados às culturas ocidentais, trazendo consigo, inevitavelmente, as palavras correspondentes. Assim, entraram no Português termos universalmente conhecidos como soja, samurai, gueixa, haicai, haraquiri, zen, origame, quimono, xógum, bonsai, saquê. De menor fama, entraram também cabúqui (gênero teatral), catana (tipo de espada), tofu, iquebana, poncã (tipo de tangerina) e biombo. Das lutas marciais, além do judô e do caratê, vieram o jiu-jítsu, o aiquidô, o quendô, o caratê, o sumô (entre outras), além do inevitável tatame — sem falar no ninja, que já vi até usado como adjetivo elogioso! (“Ele teve uma atitude ninja“). A imigração japonesa para as Américas gerou novos tipos sociais, como o decasségui, o gaijin e o nissei. Da Segunda Guerra, mantivemos o camicase e o banzai (que alguns etimologistas malucos dizem ser a origem do nosso obscuro banzé…). A última década assistiu à invasão do caraoquê (espécie de divertimento solitário musical, onde alguém pensa que canta, enquanto os demais sofrem); o pessoal dos quadrinhos e dos desenhos de animação usa mangá e anime com naturalidade; o crescente prestígio da culinária japonesa vai nos trazer todo um vocabulário especializado — e assim vão as coisas, se nenhum deputado de pouca visão resolver hostilizar todos esses vocábulos, acusando-os de estrangeirismos que ameaçam a pureza de nosso idioma.

Mulher com Tigre (Photo by Beatrice Murch CC)

Projetado sobre o que era a casa principal de uma antiga propriedade, tem 37 hectares de paisagem e é repleto de grandes e antigas árvores.

 

O parque tem habitats e recintos onde vivem e são criados uma grande variedade de animais de diferentes espécies, como leões, tigres, pumas, elefantes asiáticos, dromedários, macacos, leões marinhos, tucanos, araras, veados, antílopes, lhamas, ursos, flamingos, iguanas, etc.

 Tucano no Zoológico de Luján em Buenos Aires (Photo by Mega Pixels CC)

Tucano no Zoológico de Luján em Buenos Aires

(Photo by Mega Pixels CC)

 

Os recintos e jaulas são supervisionados pessoalmente pelos funcionários do zoológico que fornecem ao visitante informações e conhecimento sobre os hábitos e características do animal.

 

Casal com filhotes de Leão no Zoológico de Luján em Buenos Aires (Photo by Jonas de Carvalho)

Casal com filhotes de Leão no Zoológico de Luján

em Buenos Aires (Photo by Jonas de Carvalho)

 

Assim, com as orientações dos funcionários do zoológico, e respeitando a hora de cada espécie, em alguns recintos, onde é permitido, o visitante pode ter uma experiência de interação única (com macacos, veados e dromedários, etc.).

 

Para as crianças, há algumas intereação com animais da fazenda como coelhos, galinhas, cabras e bezerros, entre outros. Nessas áreas, com a ajuda da equipe do parque, as crianças recebem informações básicas sobre esses animais e aprendem regras básicas sobre como interagir com elas. As crianças podem até montar nos Ponies. Há também temos um parque infantil.

 

Mulher com filhote de Leão no Zoológico de Luján em Buenos Aires (Photo by Beatrice Murch CC)

Mulher com filhote de Leão no Zoológico de Luján

em Buenos Aires (Photo by Beatrice Murch CC)

 

A partir das 11h e ao longo do dia, visitas guiadas estão disponíveis para os visitantes ddo Zoológico de Luján. Durante essas visitas, o público aprende sobre as características dos animais e sobre as diferenças e semelhanças entre espécies. E muito mais informações valiosas sobre cada um deles.

 

Mulher com filhote de Leão no Zoológico de Luján em Buenos Aires (Photo by Jonas de Carvalho CC)

Mulher com filhote de Leão no Zoológico de Luján

em Buenos Aires (Photo by Jonas de Carvalho CC)

 

Veículos também podem entrar no zoológico e estacionar em qualquer setor da propriedade (carros não pagam qualquer taxa ou estacionamento). As taxas de entrada dão o direito de desfrutar de todas as atividades do zoológico (visitas guiadas, passeios de dromedários, pôneis para crianças, uso de churrasqueiras e acesso a jaulas quando permitido, etc.).


Além das atividades relacionadas a animais, os visitantes também têm a oportunidade de ver uma exposição de veículos e tratores antigos em exibição no zoológico.

 

O Zoológico de Luján está localizado no quilômetro 58 da Autopista del Oeste (Avenida Gaona), em Buenos Aires, Argentina, e está aberto diariamente, a partir das 9h.

Feira de San Telmo (Photo by Hermann Luyken CC)

San Telmo é o bairro mais antigo da capital Argentina. Repleta de ruas calçadas com paralelepípedos, antiga arquitetura colonial e praças arborizadas, a área é popular entre os turistas. Aqui estão algumas das melhores coisas para fazer lá.

 

1. Feira de Domingo

A Feira de San Telmo é realizada todos os domingos ao longo do ano e é provavelmente a atração mais famosa da região. Todos os domingos, moradores e turistas enchem a Rua Defensa e a Praça Dorrego para visitar as muitas barracas que vendem antiguidades, artesanato e lembranças feitas à mão. Historicamente, a feira começou com apenas alguns antigos vendedores na Praça Dorrego. Com o tempo, a rua que liga a praça à praça mais importante da cidade, a Praça de Maio, também ficou cheia de barracas. A feira é um ótimo lugar para visitar durante a manhã, uma vez que é um pouco mais tranquila (embora também bastante cheia). Além disso, a Rua Defensa está repleta de restaurantes onde os visitantes podem almoçar depois de uma manhã de compras.

 Feira de San Telmo em Buenos Aires (Photo by Mateus S. Figueiredo CC)

 Feira de San Telmo em Buenos Aires (Photo by Mateus S. Figueiredo CC)

C1103 Cidade Autônoma de Buenos Aires, Argentina

 

2. Lojas de Antiguidades

Graças à sua rica história, San Telmo é um dos melhores lugares em Buenos Aires para comprar antiguidades. O domingo não é apenas um excelente dia para comprar itens colecionáveis à moda antiga, mas durante toda a semana um passeio pela Rua Defensa levará os visitantes até um grande número de lojas. Enquanto o mercado de domingo é mais barato, as lojas ao redor da área são mais especializadas e administradas por antiquários profissionais. Para colecionadores sérios, San Telmo é um ótimo lugar para se visitar. Algumas das principais lojas de antiguidades incluem Silvia Petroccia, Galeria de Arte de Guevara e Gil Antigüedades, todas na Rua Defensa.

 

Lojas de Antiguidades em Buenos Aires (Photo by Jorge Royan CC)

 Lojas de Antiguidades em Buenos Aires (Photo by Jorge Royan CC)

 

3. Bar Plaza Dorrego

Em uma esquina da Praça Dorrego há um café despretensioso, Bar Plaza Dorrego. Este é mais do que apenas um lugar para tomar um café, no entanto. Os visitantes terão um gostinho da clássica cena cultural de Buenos Aires, como o piso de mosaicos, mesas de madeira escura, um bar à moda antiga, com as paredes cobertas de recordações vintage de tango. Ao entrar, os visitantes são levados de volta à Argentina urbana dos anos 20, ao auge do tango e ao centro do fervilhar de imigrantes europeus em Buenos Aires. O local tem uma excelente atmosfera e suas características abraçam a rica história da região.

 

Bar Plaza Dorrego em Buenos Aires (Photo by Barcex CC)

Bar Plaza Dorrego em Buenos Aires (Photo by Barcex CC)

 Plaza Dorrego, Defensa 1098, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

4. Convento de Santo Domingo

Este convento dominicano do século XVIII é um dos edifícios centrais da história de Buenos Aires. Ele esteve sob cerco durante as invasões britânicas do início do século 19 e foi usado como museu quando as ordens dominicanas foram expulsas cerca de 20 anos depois. Hoje abriga o túmulo de Manuel Belgrano, um dos heróis nacionais da independência do país. O interior é em estilo colonial clássico espanhol, com muito mármore e intrincados detalhes pintados à mão. Devido à excelente localização do convento entre a Praça Dorrego e a Praça de Maio, vale a pena parar ao caminhar até San Telmo do centro da cidade.

Convento de Santo Domingo em Buenos Aires (Photo by Barcex CC)

 Convento de Santo Domingo em Buenos Aires (Photo by Barcex CC)

Av Belgrano 422, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

5. Museu Histórico Nacional

O principal foco do Museu Nacional de História da Argentina é a revolução da independência do país em maio de 1810, embora o museu também cubra a história do país antes da chegada dos colonos europeus. O museu é encontrado no Parque Lezama, um pitoresco parque verde em San Telmo. Está alojado em uma bela mansão colonial antiga com arcos intrincados e passarelas cobertas. Uma ótima oportunidade para aprender sobre a história tumultuada do país pode ser encontrada aqui.

 

Museu Histórico Nacional em Buenos Aires (Photo by Yami Cairu CC)

Museu Histórico Nacional em Buenos Aires (Photo by Yami Cairu CC)

Defensa 1600, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

6. Assista e dance o Tango em San Telmo

San Telmo é uma das artérias principais da cultura de Tango em Buenos Aires. O grande fluxo de imigrantes viu San Telmo se tornar o lar das classes trabalhadoras, e criou um verdadeiro caldeirão cultural. Hoje na Praça Dorrego, casais profissionais de tango e músicos acompanhantes se apresentam para as multidões. Vários bares nas redondezas tem dançarinos residentes, que se apresentam em pequenos palcos, enquanto seus visitantes desfrutam de uma bebida ou refeição. Também é possível reservar uma noite em um Show de Tango (a maioria dos hotéis e pousadas vendem ingressos), que inclui vinho e uma refeição enquanto as apresentações acontecem. 

 

Show de Tango em Buenos Aires (Photo by Marcelo Roldan CC)

Show de Tango em Buenos Aires (Photo by Marcelo Roldan CC)

 

7. Experimente as Carnes Argentinas

Nenhuma ida a San Telmo estaria completa sem visitar um dos tradicionais restaurantes da Rua Defensa e deliciar-se com uma parrilla. A parrilla é o churrasco tradicional argentino com vários cortes de filé, salsichas e muitas vezes frango e legumes. A Rua Defensa e as ruas ao redor são o coração da culinária do bairro, com restaurantes ocupando os prédios que ainda não foram ocupados por lojas de antiguidades. Embora muito das decorações sejam bastante turísticas, outras mantiveram seu charme autêntico. Eles têm garçons vestidos com trajes típicos e servem ricos vinhos da casa. Alguns dos locais favoritos incluem La Brigada, Gran Parrilla del Plata e El Desnivel.

 

Restaurante La Brigada em Buenos Aires (Photo by Phillip Capper CC)

Restaurante La Brigada em Buenos Aires (Photo by Phillip Capper CC)

La Brigada, Estados Unidos 478, San Telmo, Buenos Aires

Gran Parrilla del Plata, Chile 594, San Telmo, Buenos Aires

El Desnivel, Defensa 855, San Telmo, Buenos Aires

 

8. Mercado de San Telmo

Um mercado alternativo para a feira de domingo de San Telmo e para as lojas de antiguidades da área é o Mercado de San Telmo. Este é um mercado coberto, que oferece principalmente frutas e legumes, mas também possui algumas outras barracas variadas. O mercado foi construído no final do século XIX e foi projetado pelo mesmo arquiteto do Cemitério da Recoleta, com o objetivo de atender ao crescente número de imigrantes que viviam na área. A estrutura original foi mantida e possui arcos e colunas de metal com uma cúpula de vidro no centro do telhado. Foi declarado Patrimônio Histórico Nacional devido ao seu significado para a cidade.

 

Mercado de San Telmo em Buenos Aires (Photo by Phillip Capper CC)

Mercado de San Telmo em Buenos Aires (Photo by Phillip Capper CC)

Defensa 963, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

9. El Zanjón de Granados

El Zanjón é um fascinante local de primor arquitetônico e arqueológico: um antigo edifício remodelado que revelou um sistema de túneis e afluentes de rios por baixo da cidade. Zanjón é o termo em espanhol para riacho, então a construção recebeu seu nome devido ao surpreendente suprimento de água. Além disso, sob o nível do solo, as ruínas de antigas casas coloniais foram descobertas. Os visitantes podem fazer uma visita guiada pelos túneis e aprender sobre as camadas da história muitas vezes misteriosa de San Telmo.

El Zanjón De Granados em Buenos Aires (Photo by Agustina Magnaterra CC)

El Zanjón De Granados em Buenos Aires (Photo by Agustina Magnaterra CC)

Defensa 755, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

10. Parque Lezama

O maior parque de San Telmo é o Parque Lezama, um local encantador para um passeio relaxante ou um piquenique. É verde e intenso, muito popular entre famílias jovens, velhos jogando xadrez e grupos de todas as idades, que compartilham o mate (bebida tradicional). O parque tem o nome de seus antigos proprietários de meados do século 19, a família Lezama, que projetou e fez o jardim. Tornou-se um parque público em 1894. Dentro e ao redor do parque estão o Museu Histórico Nacional e uma impressionante igreja ortodoxa russa, com um impressionante telhado azul, com materiais enviados de São Petersburgo na Rússia.

 

Parque Lezama em Buenos Aires (Photo by Roberto Fiadone CC)

Parque Lezama em Buenos Aires (Photo by Roberto Fiadone CC)

Parque Lezama, San Telmo, Buenos Aires